CONHECIMENTO

Já se vão seis anos...

Cinform / 14 de Março de 2016

Peço licença aos os leitores do semanário Cinform para compartilhar um sentimento de retrospectiva quanto à minha trajetória profissional. São experiências que estão diretamente ligadas ao desenvolvimento do mercado imobiliário sergipano. Neste mês, minha equipe e eu comemoramos seis anos de evolução da Immobile Arquitetura. Em 2010, em meio ao franco crescimento do mercado imobiliário nacional, impulsionado pelo surgimento de novos produtos e um novo momento no País, resolvi largar a estabilidade como gerente de incorporações de renomada construtora local, para dá início ao ambicioso processo de empreendedorismo e, com isso, partícipe da transformação do mercado sergipano.

Até então, como gerente de incorporações da Habitacional Empreendimentos LTDA, não enxergava no mercado uma empresa prestadora de serviços em projetos e consultoria que se preocupasse com todo o processo de criação e desenvolvimento de um empreendimento imobiliário. Além disso, não via em outras construtoras sergipanas, de forma tão clara, essa mesma preocupação. Enquanto gerente e profissional atuante na formação de empreendimentos, pude me relacionar com todo o processo de criação, com o desenvolvimento dos projetos e, em especial, aprendi como poderia empreender no mercado junto a investidores, mesmo que os cenários fossem adversos. Após o aprendizado de seis anos, consegui demonstrar a empresa que, como prestador de serviços, ao invés de funcionário, poderia evoluir e atender muito melhor as demandas dos produtos imobiliários, acessando outras estratégias e maneiras de desenvolver empreendimentos. E assim, em março de 2010, deixei de ser funcionário e as portas da Immobile foram abertas. Nossos primeiros clientes foram alguns dos construtores e parceiros que acreditaram no novo modelo de escritório que se iniciava, mesmo sem a plena convicção de como seriam os nossos serviços.

Nessa trajetória, foi possível inserir nossos conceitos e pensamentos em vários empreendimentos, como também plantar algumas sementes de transformação, às quais acredito, que nem todos enxergarão, mas para nós é muito explícito. Assumir uma transformação é inovar ou mudar processos, bem como, repensar o que se tem no mercado imobiliário, agregando todos os envolvidos e atuantes nesse mercado, para poder a partir daí, equalizar a evolução dos negócios a essa tradicional e conservadora prática de aquisição de um imóvel. Questionamentos surgiram. Por que depender apenas de instituições financeiras para aquisição da casa própria? Como desenvolver empreendimentos adequados à cidade e suas transformações? Como demonstrar que a cidade é quem deve mudar o mercado e não o mercado que deve mudar as cidades? São indagações cotidianas e presentes na nossa dinâmica de atuação, e assim, vêm fortalecendo o quão é importante essa tão sonhada transformação.

Enfim, resolvi apresentar um breve momento do nosso surgimento, para que nosso leitor possa acreditar que se identificada uma oportunidade, é possível correr atrás dos seus sonhos, mesmo que tenha que começar do zero. E claro, também gostaria de usar o artigo para agradecer quem já nos acompanha, quem lê e divide comigo as mesmas reflexões, sejam profissionais que fazem parte da nossa história, ou não. Ressalto que estou sempre aberto a temas que gostariam que aparecesse neste espaço, para assim, interagirmos mais com quem agora faz esta leitura.

José Expedito de Souza Júnior
NOVA SERGIPE, Urbanismo para Negócios
Arquiteto e Urbanista
CAU - RN: A39243-0

Topo